61 3543-8039

61 98381-0030

Top

Saúde Mental da Mulher na Gestação e no Pós-parto

Saúde Mental da Mulher na Gestação e no Pós-parto

A gestação é um momento muito especial no ciclo de vida da mulher. Esse período traz consigo diversas alterações físicas, hormonais, psíquicas e sociais, que refletem diretamente na saúde mental feminina.

Nessa fase, é comum o aumento da ansiedade e o surgimento de questões que envolvem a representação da gestante como mãe e mulher, fantasias a respeito do filho e do seu futuro, antecipações das dificuldades profissionais e no relacionamento com o marido, além do medo da própria morte e/ou do bebê no parto.

Expor esses sentimentos e preocupações para a família e para os profissionais de saúde ajuda a esclarecer as dúvidas e a promover uma gravidez mais feliz e saudável.

Conhecer os transtornos psiquiátricos que podem ocorrer nesse período faz com que eles possam ser mais facilmente identificados e manejados de forma adequada pelo obstetra e pelo psiquiatra.

 

1 – Depressão Materna na Gestação

É uma condição que acomete 16% das gestantes. 70% delas têm sintomas depressivos confundidos com sintomas gestacionais, dificultando o diagnóstico. 68% das mulheres em tratamento para Depressão apresentam recaída caso interrompam o uso da medicação durante a gravidez e 25% delas, mesmo com a manutenção do tratamento, podem recair durante a gestação.

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da depressão na gravidez são: suporte social reduzido, uso de álcool, cigarro e outras drogas, baixo nível socioeconômico e social, gestação indesejada ou não planejada e transtorno psiquiátrico prévio.

As consequências desse transtorno incluem, entre outros, maior risco de complicações na gestação, no parto e no puerpério, restrição do crescimento fetal, baixo peso ao nascer, dificuldades de sono e alimentação no bebê, maior risco de suicídio e distúrbios de conduta no futuro.

Os casos mais leves podem ser manejados apenas com psicoterapia, enquanto os casos moderados e graves requerem também o uso de medicamentos antidepressivos. A eletroconvulsoterapia (ECT) pode ser uma opção nos casos extremos.

 

2 – “Baby Blues”, Tristeza Puerperal ou Disforia Puerperal

Ocorre em 50 a 85% nas mulheres no período puerperal* e caracteriza-se por ser transitório, com início nos primeiros dias após o parto, com remissão espontânea em até duas semanas.

Sintomas depressivos leves, incluindo instabilidade de humor, irritabilidade, choro fácil, fadiga, sensibilidade excessiva à rejeição e comportamento hostil com os familiares são os sintomas mais comuns. Está relacionado às rápidas alterações hormonais no período, ao estresse do parto e da responsabilidade trazida pela maternidade.

O manejo inclui suporte emocional e auxílio nos cuidados com o bebê.

 

 

3 – Depressão Pós-Parto

Ocorre em 10 a 15% das mães no período pós-parto. Tem início nas primeiras quatro semanas após o nascimento do bebê e se caracteriza por sintomas depressivos comuns (tristeza, choro fácil, desânimo, fadiga, redução da libido, alteração do sono e do apetite, prejuízo da memória e da concentração, irritabilidade, sentimentos de culpa), além de ansiedade, medo de ficar sozinha com o bebê e atitudes que variam do desinteresse pela criança (inclusive recusa em amamentar) até a preocupação excessiva com o filho.

Mulheres com transtornos de ansiedade e depressão durante a gestação, história de depressão pós-parto em gestações anteriores e história pessoal ou familiar de transtorno de humor têm maior risco de desenvolver a Depressão Pós-Parto.

O tratamento, em geral, inclui psicoterapia e o uso de medicamentos antidepressivos.

 

4 – Psicose Puerperal

Geralmente tem início nas duas primeiras semanas após o parto e pode surgir abruptamente ou na vigência de transtornos de humor. Nesses casos, a mulher apresenta comportamento desorganizado, delírios e alucinações envolvendo o bebê (ex: vozes que mandam matá-lo), o que aumenta o risco de suicídio e infanticídio.

Muitas vezes, torna-se necessária a restrição do contato entre mãe e bebê e a amamentação pode ser contraindicada.

O tratamento inclui o uso de medicações antipsicóticas e, em alguns casos, antidepressivos.

 

Bibliografia:

– O Ciclo da Vida Humana – Uma Perspectiva Psicodinâmica – Cláudio L. Eizirik, Ana Margareth S. (orgs.) Bassols  Ed. Artmed.

– Transtornos psiquiátricos na gestação e no puerpério: classificação, diagnóstico e tratamento. Revistra de Psiuiatria  Clínica. Camacho, R.S. et al. Vol. 33 (2); 92-102, 2006

– Compêndio de Psiquiatria – Kaplan e Sadock. Ed. Artmed.

Dra Gabriela Graciano Dias

Título de Especialista em Psiquiatria - TEP ABP12.437, Graduação em Medicina pela Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS. Residência em Psiquiatria no Hospital das Forças Armadas - HFA. Membro titular da Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP.