61 3543-8039

61 98381-0030

Top

O ombro nos esportes de arremesso

O ombro nos esportes de arremesso

O ombro nos esportes de arremesso

O ombro nos esportes de arremesso

Os esportes de arremesso são aqueles em que se utilizam movimentos balísticos com os membros superiores, nos quais um objeto, ou o próprio membro, é lançado para longe de seu centro de gravidade. Fazem parte desse grupo, vôlei, basquete, tênis, handebol, natação, arremesso de peso/dardo, entre outros. Em todas essas modalidades, estresse mecânico repetitivo é aplicado em posições de mobilidade extrema da articulação do ombro. Como resultado, ocorre uma adaptação da biomecânica da articulação, podendo resultar em lesões de suas estruturas anatômicas.

O gesto esportivo de arremesso é dividido em 5 fases: posicionamento, preparação, armação precoce/tardia, aceleração e desaceleração. O desfecho do movimento envolve a ação do ombro, cotovelo, punho e mão, enquanto a preparação se dá com a participação dos pés, joelhos e quadris, transmitindo energia através do tronco. Deficiências em qualquer uma dessas estruturas podem interferir na mecânica do arremesso e reduzir sua eficiência.

Em relação às adaptações que ocorrem com o ombro do atleta arremessador, observa-se um aumento significativo na amplitude da rotação externa (fase de armação tardia), podendo ocorrer, em contrapartida, uma redução na mobilidade do ombro para a rotação interna, possivelmente em decorrência da tensão exercida na região posterior e inferior da cápsula articular durante a fase de desaceleração.

Em alguns casos, a perda da rotação interna não é adequadamente compensada pelo ganho de rotação externa, resultando em problemas para o bom funcionamento da articulação durante a execução do arremesso. Como consequência, podem ocorrer discinesia escapular (alteração do posicionamento ou da mobilidade da escápula), lesões do manguito rotador ou lesões do labrum.

Quando a alteração é diagnosticada ainda na fase anterior à instalação das lesões citadas acima, existe boa resposta ao tratamento com reabilitação em fisioterapia, alongamento da cápsula posterior e trabalho de correção e repadronização da mobilidade escapular. Nas situações em que são evidenciadas lesões estruturais, pode ser necessária a abordagem cirúrgica para reparo das estruturas afetadas e restabelecimento da anatomia do ombro.

A dor ocorrida durante a execução do arremesso, assim como a redução de sua eficiência, devem ser encarados como sinais de alerta para essas alterações no ombro do atleta arremessador.

Dr. Marco Antonio Martins Balduino

Ortopedista e traumatologista, especializado em cirurgia do ombro e cotovelo. Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Certificado em Terapia por Ondas de Choque pela Sociedade Médica Brasileira de Terapia por Ondas de Choque. Especializado em Fisiologia do Esporte Aplicada à Clínica pela Unifesp.