61 3543-8039

61 98381-0030

Top

Epicondilite lateral ou Cotovelo de Tenista

cotovelo-de-tenista

Epicondilite lateral ou Cotovelo de Tenista

O que é?

A epicondilite lateral, também conhecida popularmente como cotovelo de tenista, é a mais comum das lesões causadas por esforço repetitivo.

O problema se localiza no tendão (na verdade um conjunto de tendões intimamente relacionados) que dá origem ao grupo muscular responsável pela extensão e supinação do punho e do antebraço. Ele está situado na porção lateral do cotovelo, inserido em uma proeminência óssea denominada epicôndilo lateral.

A porção mais comumente envolvida é o tendão do extensor radial curto do carpo, que apresenta alterações degenerativas de suas fibras, podendo, em casos mais crônicos, haver rupturas.

O sintoma mais frequente é dor aguda, tipo ferroada, na parte lateral e posterior do cotovelo, que piora com a força de preensão (ex.: aperto de mão ou ao pegar e puxar algum objeto). A dor pode levar à sensação de falta de força para pegar objetos, mesmo
sendo leves.

Quais são as causas mais frequentes?

Apesar do termo relacionado à prática de tênis, a causa mais comum é relacionada a movimentos repetitivos laborais, principalmente aqueles em que os punhos ficam posicionados em extensão (ex.: uso frequente de teclado, mouse e instrumentos
musicais) e os que envolvem execução de movimentos giratórios com o punho e o antebraço, conhecidos como pronossupinação (ex.: apertar parafusos, porcas, fazer tricô e crochê).

Por que o termo cotovelo de tenista?

Nos casos que acometem praticantes dos esportes de raquete, observa-se relação da epicondilite lateral com a técnica do backhand, quando, na tentativa de gerar maior força, se realiza uma extensão e supinação do punho, aumentando as forças tensionais nos tendões extensores.
Outros fatores relacionados seriam mal posicionamento dos pés, encordamento muito tenso, raquete muito pesada, empunhadura inadequada.

Como é o tratamento?

Na grande maioria dos casos, o tratamento conservador baseado em fisioterapia, medicação analgésica ou anti-inflamatória são suficientes para que a pessoa saia do quadro de dor e limitação. Em algumas situações podem ser somados ao tratamento a
ortotripsia e as terapias infiltrativas. Raramente a cirurgia é necessária, podendo ser realizada por via aberta ou artroscópica para desbridamento do tendão acometido. Importante salientar que o fator causador deve ser corrigido, seja o posto de trabalho mal
adaptado, postura inadequada ou deficiência técnica para os esportes de raquete.

Para maiores informações e dicas para adequação técnica no tênis, clique aqui. Para informações sobre escolha de equipamento, clique aqui.

 

Dr. Marco Antonio Martins Balduino

Marco Antonio Martins Balduino – Ortopedista e traumatologista, especializado em cirurgia do ombro e cotovelo, certificado para avaliação com FMS I® e SFMA I®. Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo.